logo

Nunca É Tarde para Começar a Viver

  • Home
  • /
  • Catálogo
  • /
  • Nunca É Tarde para Começar a Viver
pdf Veja por dentro
  • Autor
  • ISBN 9789896689384
  • PVP 17.69 € (IVA incluído)
  • preço fixo até
  • 1ª Edição junho de 2020
  • Edição atual 1
  • Páginas 320
  • Apresentação Capa mole
  • Dimensões 150x230x19 mm
  • Disponibilidade
    Disponível
  • Comprar

 «Um romance de estreia imperdível.» — The New York Times Book Review

 Por vezes, é preciso arriscar tudo para encontrar uma razão de viver.

Andrew tem um trabalho pouco comum: encontrar os familiares das pessoas que morrem sozinhas. Os seus dias são passados a vasculhar casas vazias, a contactar parentes distantes e maldispostos e a assistir a funerais onde não aparece ninguém. A sua sorte é que tem uma família feliz à espera quando regressa a casa. Ou assim pensam os seus colegas de trabalho.

Tudo começou com um mal-entendido durante a entrevista de emprego, mas acabou por tornar-se uma teia de enganos tão complexa que Andrew se vê agora obrigado a manter um registo de todos os pormenores sobre a sua família imaginária. Inesperadamente, é na mulher e nos dois filhos que nunca teve que Andrew encontra conforto, refugiando-se nessa fantasia. Até que conhece Peggy, uma nova colega que traz uma lufada de ar fresco à sua vida e que rapidamente se transforma numa amiga, fazendo com que Andrew queira deixar de viver uma mentira. Pela primeira vez em muitos anos, sente vontade de começar a viver. 

Mas a escolha que tem pela frente é muito difícil. Será capaz de contar a verdade e arriscar-se a perder a amizade de Peggy? Ou preferirá manter a mentira com que já se sente confortável?

«Aqueceu-me o coração, depois partiu-o e voltou a juntar as peças.» — Beth O’Leary, autora de Apartamento Partilha-se

 

Richard Roper, autor britânico, estudou Inglês na Universidade de Sheffield e vive atualmente em Londres, onde é editor de não-ficção da Headline.

Nunca É Tarde para Começar a Viver, o seu romance de estreia, valeu-lhe ótimas críticas e comparações a autores como David Nicholls, Nick Hornby e Gail Honeyman, bem como calorosos elogios de vários escritores conceituados.